RSS

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O dia que tentei mudar o NAO de Deus... parte III

Eu vi que necessitava de mudanca e assimilei isso a uma mudanca geografica... Foi quando convenci meu pai que precisava estudar mais ingles e que iria tentar um curso nos Estados Unidos... Dentro de mim, eu sabia que estudar ingles era so uma desculpa para fugir da vida que eu levava. Nao sei dizer ao certo do que queria fugir, pois afinal, tinha tudo que, aos olhos humanos, poderia fazer uma pessoa feliz, tinha meu namorado, bens materiais, graduacao superior, saude, tinha uma religiao... O QUE MAIS EU PODERIA DESEJAR? E eu me sentia culpada por desejar mais do que isso, por me sentir tao vazia e tao triste... Ficava me achando a pessoa mais egoista desse mundo, pois eram tantos que nunca tiveram essa oportunidade que eu tinha e eu ainda nao estava satisfeita.

Terminei meu namoro e viajei em busca da paz que eu sempre quis ter... Cheguei nos Estados Unidos, em agosto de 2008. No inicio, me senti muita falta de casa e me assustei com o volume de trabalho. Vim ser au pair, um tipo de intercambio que voce mora com uma familia e cuida das criancas deles e eles pagam uma bolsa de estudos pra voce. Sai do Brasil sem saber trocar uma fralda de bebe e me transformei na mae de 3 meninos abaixo de 5 anos.

No inicio, colocava as fraldas ao contrario, tinha nojo de limpar nariz das criancas, odiava ter que arrumar a casa e entrei em parafuso. O choque cultural foi grande e eu me sentia ainda mais sozinha. Foi quando meu namorado, que a esta altura, tinha se dado conta que "gostava" de mim, me pediu para voltar o namoro e eu aceitei. (Ninguem me merecia... rs) Ele chorava no telefone, me falava que quando eu voltasse, iriamos nos casar, me prometia mundos e fundos... E eu acreditava, afinal, ele dizia que tinha mudado e se encontrado com Deus de verdade. Voltei pro Egito sem me dar conta.

Durante esses dias, eu senti como se Deus tivesse me abandonado por completo... Eu chorava de saudades de casa, chorava porque nao queria ser mae de 3 criancas e muito menos cuidar da casa, chorava pelo clima, chorava pelo vazio que estava cada dia maior dentro de mim. E foi quando as coisas comecaram a nao funcionar nessa casa que eu estava. Meu primeiro rematch (tiveram que me mudar de familia). Fiquei um mes nessa casa e arrumei uma nova host family em Philadelfia, Pennsylvania.

(continua)

Um comentário:

Lilian C. Sobral disse...

A gente às vezes persiste tanto nos erros e não apresenta a mesma persistencia com relação à nossas mudanças, né? Temos que estar sempre vigilantes pra não dar ouvidos aos sentimentos em vez da razão...

Deus te abençoe, minha amiga...

Postar um comentário